Tel: 96 239 3028
E-Mail: [email protected]
Consultas Online: Skype
Membro Efetivo Ordem dos Psicólogos Portugueses
Cédula Profissional Nº 13770
 

O que é a Hipnose Clínica

Reconhecida como método científico pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a hipnose é uma técnica da ciência moderna utilizada no tratamento de doenças físicas e psicológicas. A hipnose é um estado alterado de consciência durante o qual o indivíduo sente um profundo relaxamento físico e emocional.
Em 1998, a hipnose saiu do campo da especulação para o campo científico através de uma experiência coordenada pelo psicólogo Stephen Kosslyn da Universidade de Harvard nos EUA com o auxílio de um equipamento de ultima geração, na área da tomografia computorizada (PET). Esta experiência foi definitiva para a validação da hipnose como método científico pela Organização Mundial da Saúde, em 1998.

A hipnose moderna tem sido usada, com sucesso, para; aumentar a auto – estima/ auto-confiança, mudar hábitos, perder peso, parar de fumar, melhorar a memória, dificuldades de aprendizagem, modificar problemas comportamentais em adultos e crianças, eliminar ansiedade, medos, fobias, tratar a depressão, gestão de stress, controlo da dor crónica, parto sem dor, preparar o paciente para cirurgias, entrevistas, exames etc.

A hipnose permite ao paciente abrir as janelas para o seu mundo interior…
A hipnose é uma forma intensa de pensar. Na prática, significa entrar em contacto directo com as emoções. “É como se abríssemos uma janela para estabelecer um diálogo com o inconsciente, com nossas habilidades que estão adormecidas ou mesmo com recursos internos que devem ser desenvolvidos”.
A técnica hipnótica é usada para diagnósticos e tratamentos em várias áreas. Na Psicologia, em casos de pânico, fobia, transtornos e depressão, por exemplo. Na Medicina e na Odontologia, a hipnose é uma ferramenta empregada na preparação para cirurgias e no controle de dores crónicas. Também actua de forma eficaz nos distúrbios psicossomáticos, ou seja, aqueles de fundo emocional, como pode acontecer em alguns casos de alergia, asma, gastrite e até do cancro. A principal vantagem da técnica é que encurta o tempo de tratamento, que varia de uma sessão a alguns meses dependendo da pessoa e do seu problema.
A maioria das pessoas pode ser hipnotizada – de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 90% da população mundial estaria apta a entrar em transe. Afinal, se é um estado de atenção focalizado por um determinado tempo, muitas pessoas conseguem isso de forma espontânea.
A hipnose não é indicada para pacientes em surto psicótico, uma vez que estes já estão em ‘estado alterado’ e não têm a concentração necessária. Todas as outras pessoas podem ser hipnotizadas. Para cada caso, será usado um tipo de indução, para algumas pessoas o transe mais profundo, para outras o transe de forma mais leve.

Numa sessão de hipnose:

1) Para induzir ao transe, o hipnoterapeuta usa a comunicação verbal – por meio de palavras de sugestionabilidade que visam atingir as organizações conscientes e inconscientes da mente – ou a comunicação não verbal – constituída de toques no corpo, sons ou músicas que são dirigidos às estruturas inconscientes ou analógicas da mente da pessoa
2) No final da sessão, o paciente pode lembrar de tudo o que foi dito durante o transe ou não (assim como numa conversa, num filme, numa aula, às vezes não registramos conscientemente tudo). A pessoa sempre sabe onde está e tem total consciência do que faz e pensa.
3) As experiências que temos durante a vida tornam-se a “nossa bagagem” e aprendizagem. Durante o transe hipnótico é possível desenvolver novas aprendizagens, reformular o pensamento, aprender outros hábitos, descobrir qualidades insuspeitas. “O que vivemos não pode ser modificado, mas é possível criar uma nova moldura, transformando a percepção do viver e consequentemente adquirindo outros comportamentos e atitudes perante a vida com o auxílio da hipnose.

Distúrbios e situações em que a Hipnose Clínica pode ajudar:

  1. Controlo e Perca de Peso
  2. Anorexia nervosa
  3. Bulimia
  4. Ansiedade e Ataques de pânico
  5. Depressão
  6. Asma
  7. Dependência de drogas álcool e cigarros
  8. Dificuldades de aprendizagem
  9. Distúrbios sexuais
  10. Dor
  11. Gravidez e parto sem dor
  12. Stress
  13. Stress pós-traumático
  14. Insónia
  15. Obesidade
  16. Síndrome do Pânico
  17. Timidez
  18. Transtorno Obsessivo Compulsivo
  19. Vícios e manias
  20. Medos e fobias
  21. Assertividade
  22. Problemas de Auto-Confiança e Auto-Estima
  23. Vencer o Trauma
  24. Distúrbios de sono
  25. Preparação para Exames
  26. Hiperactividade